Category Archives: Adolescentes

Estágio profissional para universitários

Quando o jovem está para concluir o ensino de segundo grau, fica com a cabeça em conflito, pois nem todos já tem nesse período decidido sobre fazer ou não um curso universitário e qual destino escolher.
Depois que entram na faculdade, muitos se acomodam e acham que só o diploma já lhes garantirá o futuro. Grande engano.

É necessário que o estudante universitário tenha em mente que só o diploma não é suficiente para o sucesso da sua carreira e que deve procurar experiência desde cedo, ainda quando estudante.

Por isso deve procurar estágio em empresas, que hoje já é regulamentado por lei. Um bom estágio lhe dará experiência e ensinamentos de como lidar com certas situações, que defrontará quando já for um profissional e estiver assumindo responsabilidades.

Muitas empresas fazem dos estágios verdadeiras escolas para preparar e especializar a mão de obra que utilizarão, de acordo com seus fundamentos. Algumas chegam a aproveitar em seus quadros mais de 60 % dos estagiários utilizados.

Na verdade o estágio é um elo entre a faculdade e a vida real profissional, onde se pode aliar a teoria com a prática.

Feiras de profissões para vestibulandos


Quando chega o mês de setembro de cada ano, o desespero e aflição tomam conta da maioria dos estudantes brasileiros, que ainda não se conhecem a si próprios e não sabem que caminho trilhar.

Isso é normal entre os adolescentes pela falta de conhecimento dos cursos ofertados pelas faculdades e as futuras profissões.

Muitos escolhem o curso pelo status que ele oferece, outros por pressões de familiares e amigos, outros pela expectativa financeira que a mídia promove, mas poucos fazem uma auto-análise, ponderando os prós e os contras da profissão escolhida, redundando muitas vezes em abandono do curso escolhido.

Nesta hora se faz necessário uma orientação de pessoas mais experientes, que conheçam os lados positivos e negativos das profissões e também quais virtudes é requerida do candidato, para que se possa ver se ele se enquadra com aquela profissão no futuro.

Uma pessoa que não consegue ver sangue não pode fazer um curso de saúde, como medicina, por exemplo. Outra que só viveu na cidade terá dificuldades na profissão de agrônomo ou veterinária, que na maioria dos casos irá trabalhar no campo e com poucos confortos.

Para tentar resolver esse problema, algumas faculdades promovem nas vésperas do início das inscrições de seus vestibulares, as chamadas feiras de profissões, onde se montam estandes com alunos que já estão cursando os cursos ofertados pela faculdade e até com a participação muitas vezes de profissionais que já atuam na área, para consultas e exposições sobre cada curso.

Isso é muito útil e necessário, para evitar futuras deserções durante o curso e até mesmo depois de formado, quando se percebe que se tomou o rumo errado, porém isso já causou muita perda de tempo e dinheiro, algumas vezes de escolas públicas.

Obesidade infantil

A obesidade infantil no Brasil já atingiu a casa dos 15 %, conforme as recentes estatísticas. Isto chega a ser alarmante.

As escolas em quase todos os Estados já vêm se mobilizando no sentido de promover campanhas educativas, incluindo nas disciplinas lições de alimentação saudável.

Em muitas escolas são proibidas as cantinas internas de venderem refrigerantes, lanches com frituras, doces e outros alimentos que não são saudáveis, porém o grande problema está nos lanches que as crianças trazem de casa.

Por mais que a escola se esforce, a criança não criará hábitos saudáveis sem a contribuição dos pais. Muitos pais não prepararam um lanche saudável e as crianças passam até por sérios constrangimentos na escola, pressionados pelas orientações e até pelos próprios colegas.

Alguns colégios até acabam adotando medidas polêmicas, como proibir e até “confiscar” certos lanches ou os colegas têm que dividir seus lanches com os amiguinhos que trouxeram lanches inadequados.

Mas há de se fazer um grande esforço, pois se desde criança a pessoa já for acometida da obesidade, quando crescer certamente sofrerá de outros males muito piores, como a diabetes, colesterol e outras doenças resultantes deste descuido da infância.

O uso da maquiagem entre crianças e adolescentes

Cresceu consideravelmente o uso de cosméticos entre as crianças e meninas adolescentes. Basta ter uma festinha qualquer que lá vão elas todas entupidas de maquiagens.

Até para ir ao colégio já vão todas cheias de maquiagens, motivadas uma pelas outras, provocadas pela vaidade típica das mulheres e manifestada cada vez mais cedo.

Mas se deve ter cuidado, pois aquilo que aparentemente é para melhorar a pele pode ter efeito contrário, uma vez que nem todos os produtos são dignos de tanta confiança assim.
O uso precoce e repetido pode também ter seus efeitos no futuro, quando a idade chegar.
Mas o que se pode fazer diante de tantas propagandas em todos os meios de comunicações?

Celular rastreará e controlará alunos em escola de São Paulo

Depois que inventaram o telefone celular muita coisa mudou. Os negócios ficaram facilitados, com a comunicação sendo facilitada. Socorros em lugares distantes também puderam ser feitos.
Mas nem tudo foi para melhor. As esposas e namoradas conseguem controlar o passo a passo dos homens, depois desta invenção.
Os filhos que já eram controlados em seus passeios, agora serão também controlados nas escolas.

Uma escola de São Paulo vai monitorar toda a vida escolar de seus alunos, informando tudo aos seus pais através de mensagens por celular. Qualquer anormalidade na escola ou até as ausências serão comunicadas de imediato, para que os pais possam tomar as providências a tempo.

É a tecnologia controlando cada vez mais a vida do cidadão.

Faculdade à distância e por correspondência

Quando chega o final de cada ano e início do ano seguinte, um grande número de jovens de todo o país passam por momentos de grande aflição. Precisam definir o rumo de suas vidas. Uns param de estudar e se contentam apenas com o ensino médio, chamado de segundo grau nos meus tempos, porém outros sentem a necessidade, cada vez mais imperiosa nos nossos tempos, de fazer um curso superior.
Aí é que o problema aparece, pois não há vagas para todos nas faculdades públicas e em seus vestibulares passam aqueles mais preparados, normalmente os que tiveram mais condições ao longo de seus estudos anteriores.
Para a grande maioria sobram então as faculdades particulares, que se proliferaram em grande número pelo país e que salvo alguns casos, quase todas elas são de baixíssima qualidade e de altos custos das mensalidades.

Como a demanda é grande e há mercado, surgiram aquelas que não passam de fábricas de diplomas, as chamadas faculdades “não presenciais”, onde o estudante não comparece às aulas e somente comparece periodicamente para fazer provas, estuda à distância, por correspondência, algumas já utilizando os modernos meios de comunicação, através da internet. Não passa de comercialização do ensino, onde se aprende pouco e somente se consegue um diploma fácil.

Mas não sei o que será pior em breve, se ser atendido por um profissional formado nestas faculdades ou se por um profissional que entrou em uma faculdade por meio das cotas do Sr. Lula.

Os colecionadores estão em extinção?

Quando criança, em cidade do interior, era comum a meninada colecionar alguma coisa. Uns colecionavam bolinhas de gude, outros carteiras de cigarro ou tampas de bebidas, juntados nas ruas. Havia também os álbuns de figurinhas de times de futebol, que eram o tormento dos pais. Toda a economia da criançada ia para as tais figurinhas. Quando se preenchia a página, ganhava-se um prêmio. Normalmente os promotores não lançavam algumas e a criançada nunca ganhava os tais prêmios. Era pura sacanagem e fraude.
Quando adultos, continuando com a experiência, essas pessoas se tornavam colecionadores de moedas e outros objetos, chegando alguns a se tornarem colecionadores até de carros antigos, quadros e outras obras de artes, discos de músicas, etc.
Mas parece que esses hábitos estão se acabando. Hoje são poucos os colecionadores. As razões são muitas para isso. Uma delas é a situação financeira, que se tornou proibitiva. Outras razões também são determinantes, como os escassos espaços para isso, principalmente nas grandes cidades.
Acho que a raça dos colecionadores está em extinção!

Jóia é um bom presente de natal para as adolescentes

Presentear pode não ser tão simples assim, principalmente adolescentes, que já sabem o que querem e não é qualquer coisa que os satisfaz. Se for menina é mais complicado ainda.
Já enfrentei muitas dificuldades com isso, mas também já aprendi a lição. A dificuldade foi até quando me ensinaram que para menina adolescente jóias são sempre bons presentes. Por mais que elas possuam, uma nova sempre faz a diferença.
Perfumes somente se conhecermos bem a pessoa, caso contrário o investimento pode não resultar em nada ou até no lixo.
Mas com essa crise somente começando, muitos vão ganhar caixinhas de bom-bons ou nada.

Aposentadoria, você já pensou nela?

O alerta está soando e as luzes vermelhas piscando. Já está sendo anunciado há alguns anos a inversão no perfil da população brasileira. Agora novamente, este mês, o IBGE divulgou suas pesquisas sobre a nossa população e assustou ainda mais. Sempre se usava o jargão que o Brasil era um país de jovens, mas as novas pesquisas desmentem isso.
Dizem que até o ano de 2040 a população brasileira terá mais pessoas com idade superior a 65 anos que jovens abaixo dos 14. Isso assusta os que têm idades intermediárias a estas, pois são os que têm que trabalhar para pagar a conta.
Quando o jovem sai da adolescência e começa a entrar na idade adulta, após os 18 anos principalmente, fica eufórico com a liberdade, procura entrar no mercado de trabalho, ganhar seus primeiros salários, muito mais pensando em consolidar esta liberdade que formar uma base para seu futuro. Com o passar do tempo, já tendo experimentado as diferentes regalias que o mundo oferece, começa a se preocupar com uma solidez e constituição de uma família.
Primeiramente se preocupa com melhores empregos, melhores salários, aquisição de patrimônios. Com o passar do tempo verifica que tudo tem seu limite e que riqueza mesmo é viver a vida. Já não se preocupa tanto com aventuras e procura estabilidade e honrar com suas responsabilidades perante a família que constituiu. Até que chega uma certa idade e começa enxergar a sua velhice logo à frente. Então vem o grande susto, pois muitos não pensaram lá atrás que ficariam velhos e não se prepararam para isso. Não acumularam patrimônio que os suportem para o restante de seus dias, nem se preocuparam com previdências, públicas ou privadas, que lhes garanta uma pensão mínima.
Com a mudança do perfil da nossa população e com os desmandos dos nossos governantes, que desviam os recursos das contribuições dos trabalhadores para outros fins, principalmente eleitoreiros, já estamos vendo a penúria em que se encontram os aposentados em nosso país, que muito contribuíram no passado e que agora recebem míseras pensões e sequer recebem a dignidade de não enfrentar uma fila, quando necessitam de atendimentos em postos da Previdência Social ou de atendimentos médicos.
E você já pensou na sua aposentadoria?

O Brasil será um país de velhos?

As estimativas do IBGE são que a partir de 2040 haverá mais velhos que jovens até 14 anos no Brasil. Isso se deve à diminuição da taxa de natalidade, à diminuição da família brasileira, com campanhas educativas e de planejamento familiar, intensificadas nos últimos anos, bem como o aumento da expectativa de vida dos brasileiros. Hoje em dia, com as melhorias da medicina e o maior acesso a remédios e melhores condições de vida, o brasileiro sobrevive mais, morrendo com mais idade.
Isso acendeu a luz vermelha, pois vivendo mais os nossos idosos ficarão mais anos sob os benefícios da previdência social, já deficitária, conforme se divulga por aí.
Por isso, há alguns anos atrás, ainda no governo de FHC, quando se lançou a campanha da vacinação dos idosos contra a gripe, muitos deles não tomavam a tal vacina nem amarrados, pois circulou um boato que a tal injeção era para matá-los aos poucos, para gerar economia à Previdência Social.