Category Archives: Depressão

Meditação na cura de doenças

Os orientais há muitos anos praticam a meditação como recurso para muitos males do corpo e da alma.

No Brasil cada vez mais se buscam os modelos alternativos para a cura de certas doenças, como a acupuntura, remédios feitos de ervas naturais e agora até a meditação.

Depoimentos de pessoas em reportagens dão conta que praticando a meditação estão conseguindo alivio para enxaquecas e outras dores de cabeças, diminuição da ansiedade, depressão e outras doenças.

Grande parte das doenças é psicológica e nesses casos a meditação se mostra bastante eficiente.

Esteira elétrica ou mecânica para ginástica

Todos os especialistas recomendam a prática de exercícios físicos para melhoria da saúde. Diminui o colesterol, a obesidade, a depressão, a diabetes, fica mais controlado, melhora a circulação sanguínea e tantos outros benefícios.
Uns vão praticar o futebol uma vez por semana, as famosas peladas. Nesta prática, forçam muito a musculatura e de maneira errada e se machucam muito.
O melhor mesmo são as caminhadas. Aí surge outro problema, pois nem todos têm um lugar adequado nas proximidades de suas casas, como um parque, um clube ou um lugar tranqüilo e sem o perigo e a poluição dos automóveis pelas ruas das cidades.
Alguns preferem comprar equipamentos de ginásticas e praticar os exercícios em casa. O equipamento mais usual é a esteira, que pode ser mecânica ou elétrica.
Porém a esteira em casa não é a mesma coisa que em uma academia ou uma boa caminhada em um parque. No início a pessoa até faz uso, mas com o passar do tempo fica mais uma “tralha” para usar o espaço e ficar atrapalhando dentro de casa.
Mas sempre devemos arrumar uma forma de praticar nossos exercícios físicos, para o bem de nossa saúde.

A qualidade de vida no interior

Ouve-se muito que as pessoas têm procurado fugir dos grandes centros urbanos para o interior em busca de melhor qualidade de vida.
A vida na cidade é atribulada, com pressões de toda ordem. Corre-se o dia todo. O trânsito também contribui com o estresse. Paga-se por tudo que se faz, até mesmo o laser não sai de graça. O repouso noturno também não é garantido, com barulho de trens, ônibus, carros, sirenes de ambulâncias e policiais, quando não se mora próximo a casas noturnas, onde piora em muito.

Porém a vida no interior não é só vantagem, pois lá aparecem outros problemas. Lá não temos tudo de que precisamos com a mesma qualidade dos grandes centros urbanos. Basta necessitarmos de um atendimento médico mais complicado e já sentimos isto. Quando necessitamos certos produtos, temos dificuldades de encontrá-los. Em muitos lugares se quer temos as utilidades básicas, como eletricidade, água tratada e saneamento.

Mas o pior de tudo é o campo de trabalho, que é muito restrito e de baixos salários. Pode-se ter uma ótima qualidade de vida no interior, desde que se tenha a garantia de um bom emprego ou uma aposentadoria de um político.

As mudanças no Lay out de nossa casa ajuda a combater a depressão

Dizem que para combater a depressão um dos remédios é sair da rotina. Sair de casa, formar novos amigos, viajar, fazer coisas diferentes.
Outra receita é também modificar o ambiente diário em que vivemos, a nossa casa. Uma simples mudança na posição dos móveis, ou até a substituição de alguns, uma nova pintura, com troca de cores. Substituição dos quadros das paredes e outras modificações no lay out do nosso lar melhoram nosso astral e nos dão força para sairmos do quadro depressivo, que muitas vezes temos e não nos damos conta disso.
Praticamente todos nós possuímos a doença do século.

O pinheirinho de natal e nosso astral

Em época de tanto pessimismo com relação à crise, que toma conta do mundo todo, precisamos de motivos para erguer o nosso astral. Um grande motivo é a época natalina, com suas cores, luminosidades e músicas.
Alguns anos atrás, uma época difícil de minha vida, o período do natal muito me ajudou, evitando que uma forte depressão tomasse conta de mim.
Ao montar o pinheirinho, expulsava a depressão. Depois de montado, o piscar de suas luzes me chamava à reflexão e fortalecia o meu interior. Parece que ele fala, trazendo mensagens fortalecedoras.
Precisávamos ter mais natais durante o ano, para que não nos deixássemos abater por poucas coisas.

Os bailões como terapia para a terceira idade

Cresce de maneira incomum o número de pessoas vivendo sozinhas nas grandes cidades. Umas descasadas e outras passam longe de propostas assim, não gostam de perder a liberdade. Tanto homens como mulheres estão preferindo viver sozinhos, cada um em sua casa.
Mas o stress do dia a dia obriga-os a procurar algum meio de renovar as energias. Os bingos, que faziam boa parte deste trabalho, foram proibidos. Só restaram os bailões, que suprem em grande parte esse espaço. Agora não são promovidos somente nos finais de semanas, pois esperar 7 dias é muito para certas pessoas.
Eles estão espalhados por toda a parte e todos os dias. Tem pessoa que já necessitar ir trabalhar de vez em quando só para tirar o stress de bailões.

A importância da arborização nos grandes centros urbanos

Quando se fala em vegetação em um centro urbano, só se pensa na purificação do ar. Poucos pensam em outros benefícios.
Na verdade a vegetação traz muitos outros benefícios, como na estabilização térmica e no grau de umidade do ambiente, tão importantes para a saúde humana.
Mas existem outras vantagens, não percebidas com tanta facilidade quanto as mencionadas. Uma delas é a importância como a cura do estresse. Uma pessoa sujeita a uma vida de grande atividade, com muita cobrança, pode melhorar muito seu estado físico com um simples passeio a um bosque, mesmo nos finais de semanas.
Mas o que me motivou escrever sobre isso é ainda mais difícil de se perceber, se não prestarmos atenção. Um terreno, que ainda está desocupado, em frente ao prédio onde eu moro, possuía mais que uma dezena de frondosos eucaliptos. Em dias de tempestades, quando todos vêem de maneira negativa e temerosa, eu contemplava a resistência, ou a manifestação de alegria destas lindas e fortes árvores, quando se curvavam em obediência aos fortes ventos. Nas tardes tranqüilas elas davam abrigo e hospedavam os pássaros, que em agradecimento recitavam suas melodias ao amanhecer do dia. Era um presente da natureza que eu tinha todos os dias. Meses atrás, por ganância ou necessidade, o proprietário do terreno derrubou essas árvores, transformando-as em lenhas e as substituindo por uma placa de “aluga-se”. Hoje só vejo os restos que sobraram das suas copas, mortas e em decomposição, tornando-me um ser mais infeliz, assim como os pássaros que as habitavam, que hoje sumiram infelizes também.
Faço deste texto o meu protesto !

Comércio de remédios no Brasil não tem ética

Em qualquer lugar se compra remédios no Brasil. Há um monte de farmácias por todos os lugares. Até em bancas de revistas e lanchonetes de paradas de ônibus se compra.
Nas farmácias não se exigem receitas médicas até para os controlados. É fácil consumir qualquer destas drogas por aí. A ANVISA diz que controla, mas faltam recursos e fiscais até para os casos mais complicados.
Isso sem falar nos “moambeiros”, que agora já trazem remédios do Paraguai e até fazem receitas para a população, sem conhecer a verdadeira procedência, as aplicações e até mesmo os efeitos colaterais de tais drogas. Basta ver todas as semanas nos noticiários as prisões efetuadas pela polícia de pessoas vendendo estas drogas, que dizem causar abortos, combater à impotência, analgésicos e até emagrecedoras.

A importância dos bosques, parques e praças nos centros urbanos

Quem vive em cidades do interior talvez não saiba da grande importância e necessidade de lugares públicos arborizados nas grandes cidades.
Nos centros urbanos as pessoas vivem fechadas o dia todo, vendo o sol apenas pelas janelas. Até os presidiários tem direito a banho de sol e muitas vezes as pessoas trabalhadoras não o tem.
Em fins de semanas ensolarados os parques ficam repletos de pessoas e realmente esse passeio faz muito bem à saúde, pois é um grande remédio para diminuir o estresse do dia a dia.

O turismo é movido pelos aposentados

Os aposentados são praticamente os que movem a indústria do turismo no mundo atualmente. Não me refiro aos aposentados brasileiros, que não conseguem sequer cuidar da sua saúde, tão precário é o valor que recebem, mas os aposentados europeus, principalmente são os que mais viajam e gastam, movimentando os vários segmentos do turismo.
Na cidade onde eu moro, a bela Curitiba no Paraná, é comum vermos pelos vários parques que a cidade possui ou nos muitos restaurantes, quase todos italianos, do bairro gastronômico de Santa Felicidade, ônibus com visitantes estrangeiros. Eles têm tempo, dinheiro e vontade de viajar e conhecer novos lugares.
Movimentam agências de turismos, transportes, hotéis, restaurantes e muitos outros segmentos de prestações de serviços, sempre dispostos a servi-los.
No Brasil nossos aposentados costumavam gastar nos bingos, hoje proibidos. Mas o que está crescendo em todas as cidades são as casas dançantes para a terceira idade, que preenchem as tardes destas pessoas, expulsam a solidão e a depressão e ainda conseguem dar início a esperançosos e empolgados casamentos de pessoas com mais de sessenta anos de idade.