Category Archives: Livros

Vem aí os E-READERs que prometem acabar com os livros impressos em papel

Gutemberg deve estar muito chateado, mas ele já contribuiu muito com a cultura do mundo, agora chegou a hora da sua aposentadoria.
A tecnologia atual, que com os computadores e a internet praticamente estão acabando com os meios de comunicações impressos, faz com que as notícias praticamente sejam em tempo real, economizando-se tempo e papel. Até as bibliotecas já estão sendo desprezadas, principalmente pelos estudantes, que fazem a maioria de suas pesquisas na internet.
Agora vem aí aquilo que promete ser um tiro de misericórdia nos livros impressos em papel e também nas editoras, trata-se dos livros em meios digitalizados. Os aparelhos chamados “e-readers”, que foram apresentados na última feira do livro, realizada neste mês de outubro de 2008 em Frankfurt na Alemanha, são leves e com capacidade para armazenar centenas ou milhares de livros, com a tecnologia de “tinta elétrica”, que forma as letras no visor em contraste com um fundo claro. O resultado, sem a luz de fundo dos computadores e celulares, é uma legibilidade muito maior, que não cansa a vista durante a leitura, com a vantagem que o texto pode ser mostrado em diversos tamanhos.
Seu funcionamento é praticamente o mesmo dos aparelhos de MP3. Basta plugá-lo no computador via USB e colocar um arquivo de texto na memória interna. Quase todos os aparelhos no mercado, inclusive, são também tocadores MP3, e softwares podem transformar qualquer e-book em audiolivro com facilidade.
sony-reader-prs-505.JPG

O preço dos livros. Porque o brasileiro não tem o hábito de ler?

Pesquisas recentes revelam que o brasileiro não tem realmente o hábito da leitura. Em média cada brasileiro lê dois livros por ano.
Dizem que já foi pior. A atuação das escolas tem melhorado muito essa situação, mas muita outra atitude tem que ser tomada.
Há alguns anos atrás os vestibulares eram um tanto omissos, depois a maioria das faculdades começou fazer listas anuais de livros de literaturas, isso despertou as escolas a incentivar os alunos para a leitura. Outra atitude muito boa foi cobrar as redações em vestibulares, que também despertou os estudantes para ler cada vez mais.
Todas estas atitudes foram positivas, mas acho que ainda falta por parte do governo e empresários do setor atitudes que promovam e facilitem a aquisição de livros. Eles são muito caros no Brasil.

Garoto de 8 anos da 5.ª série do fundamental é aprovado em vestibular de direito

O governo brasileiro não cumpre com suas obrigações constitucionais em todos os campos. Na saúde é uma precariedade, obrigando as pessoas a possuírem planos de saúde; na segurança todos sabemos o que está acontecendo; no transporte só sabe privatizar; em todos os outros campos ele se omite e deixa que exploradores do povo tomem conta, uma vez que nem para fiscalizar serve. Mas é na educação que o problema é maior, pois é a base do desenvolvimento de qualquer nação.
Esses dias o Brasil todo foi posto a refletir sobre o descaso da educação em nosso país, quando se divulgou que João Victor Portellinha de Oliveira, de 8 anos, aluno do 5º ano do ensino fundamental, em Goiânia foi aprovado no vestibular para o curso de direito da Universidade Paulista (Unip). A princípio até seus pais se enalteceram com o fato, porém logo todos sentiram o absurdo. Não podemos dar nenhum mérito a esse garoto e sim tirar todo o crédito desta faculdade e de todo o ensino brasileiro.
A Ordem dos Advogados do Brasil, OAB, Seção de Goiás, classificou a aprovação de João Victor como “preocupante”. “O fato materializa o alerta que a OAB-GO vem fazendo há tempos sobre a mercantilização do ensino jurídico, que não está sendo tratada pelas autoridades com a devida urgência que requer”, disse nota divulgada no site da Ordem. O documento diz ainda: “O referido fato, por si só, caso seja comprovado, merece que a instituição de ensino sofra imediata intervenção do MEC para que seja verificado se casos semelhantes ocorrem com freqüência e em que circunstância o episódio ocorreu”.
Não bastasse o verdadeiro comércio que virou o ensino em todo o país, sem fiscalização adequada por parte do governo, ele próprio está contribuindo para a piora, com a instituição das tais cotas para ingresso em faculdades pública. Em vez de melhorar o ensino em sua base, esse governo paternalista e eleitoreiro, prefere facilitar e aceitar que os profissionais tenham baixo nível.
Mesmo que o governo repita e engane o povo, dizendo que as cotas não estão refletindo no nível dos alunos nas faculdades, quem estudou em uma boa faculdade sabe que é mentira e que vai ser difícil confiar em um médico, engenheiro, advogado ou outro profissional, que ingressou em faculdade através das beneces eleitoreiras do Sr. Lula, que se quer sabe o que é um banco de Faculdade.
Por isso surgem piadas, a todo momento, como esta : “Perguntaram a um vestibulando sobre química, qual a diferença entre uma dissolução e uma solução”. Ele prontamente respondeu : “ dissolução é quando colocamos um político em um tanque de ácido e solução é quando colocamos todos eles nesse tanque”.
joao-victor-unip.JPG

Bibliotecas. Jornais, revistas, livros. O sebo

Estatísticas demonstram que o povo brasileiro não têm o hábito de ler. Agora com a internet a leitura praticamente ficou restrita à telinha do monitor. A mídia escrita tem enfrentado algumas dificuldades. Jornais e revistas já não são como nos outros tempos. Livros sempre tiveram dificuldades de vendas, pelo pouco hábito de leitura do brasileiro e também pelos seus altos custos no Brasil.
A internet até roubou a freguesia das bibliotecas. Estudantes de hoje fazem suas pesquisas através dela e visitam muito pouco as bibliotecas, que ficaram quase que de uso exclusivo de pesquisadores.
Um mercado que sobrevive com dificuldades nas grandes cidades ainda é o do “sebo”. Assim chamado porque nos tempos antigos, quando não havia iluminação elétrica, a leitura à noite era feita à luz de velas, que eram feitas de sebo. Esse sebo derretido sujava os livros. Por isso essas lojas de livros antigos são chamadas de “sebo”.
Mas até estes para sobreviver tiveram que se utilizar da internet, colocando as listas de livros nos sites, facilitando a consulta por parte dos interessados e desta forma facilitando a comercialização.

A necessidade do estudo no mercado de trabalho

Quando eu era criança eu ouvia de meu pai que eu teria que estudar, pois com deficiência em um braço não poderia viver de trabalho pesado e braçal. De tanto ouvir repetidamente seus conselhos me dediquei muito na escola e também de maneira autodidata, pois nossas condições financeiras nunca foram das melhores. Os conselhos não poderiam ter sido melhores.
Os tempos se passaram e esses conselhos se tornaram mais válidos que nunca. Hoje em dia nem trabalho braçal se consegue se a pessoa não tiver estudo. Tudo tende para a automatização, aperta-se botão aqui e ali, painéis cada vez mais sofisticados são impostos em qualquer tipo de trabalho. Se a pessoa nem ler direito sabe ela não poderá fazer mais nada.
Lembro com muita tristeza de um dia, quando em meus trabalhos de consultorias técnicas, estava fazendo um levantamento de máquinas em um pátio de leiloeiro. Da sede administrativa um funcionário telefonou para o guardião que estava no pátio, para ele separar, limpar e preparar dois veículos, que iriam ser colocados no leilão. Esse senhor me procurou então desesperado e quase chorando, pedindo que o ajudasse identificar os veículos, pois ele não sabia sequer ler as placas e não podia perder o emprego, tinha duas lindas crianças para criar e com muita dificuldade tinha conseguido esse trabalho. Isso me cortou o coração. Ajudei esse senhor na identificação e como eu tinha boa amizade com seu patrão, convenci o mesmo a mantê-lo no emprego e ajudá-lo a resolver esse problema. O seu patrão não só o manteve no emprego como o ajudou a ingressar numa escola. Algum tempo depois esse senhor exibia com orgulho seus conhecimentos e estava muito feliz por ter descoberto as maravilhas de saber ler e escrever e se tornara um dos mais eficientes funcionários, além de ser eternamente grato a mim e ao seu patrão. Foi como se tivesse salvado sua alma.
Outro dia um amigo meu estava admitindo dois funcionários para a empresa dele, para trabalhos braçais de organização e armazenamento de caixas no estoque. A exigência era de no mínimo possuir o segundo grau completo, pois ele não suportava mais os erros dos outros sem estudo. Teve que pagar um salário melhor e encontrou um monte de candidatos.

A volta às aula. As escolas e as listas de materiais escolares.

Todo início dos períodos escolares se torna um tormento para os pais. O final de ano envolve muitos gastos nas famílias, com festas, presentes, viagens, praias, férias. Além disso o início do ano trás a voracidade do poder público com taxas e impostos sempre majorados.
Neste país onde o governo cobra um dos maiores impostos do mundo e presta um dos piores serviços ao cidadão, o cidadão de poder aquisitivo um pouquinho melhorado tenta manter seu filho nas escolas particulares, pois é notório a baixa qualidade das escolas públicas brasileiras. Para não investir e melhorar o nível o governo prefere implantar a política de cotas nas universidades, o que a médio prazo vai baixar também o nível dos alunos nas mesmas, pois nenhum professor poderá mantê-lo se os alunos não tem formação básica para acompanhá-lo e esses alunos, mal formados, serão os professores dos nossos netos lá na frente.
Além das taxas de matrículas e uniformes, os pais enfrentam as famosas listas de materiais escolares das escolas. Muitas escolas, principalmente as particulares cometem verdadeiros abusos nestas listas, mas poucos pais protestam ou procuram os órgãos competentes, como o Procon, para reclamar. Essas escolas incluem nas listas os materiais de uso coletivo, que devem ser comprados por elas, com o dinheiro arrecadado das mensalidades, como materiais de limpezas, papel higiênico, materiais usados pela escola no seu expediente, como papéis sulfite e outros, além de citarem marcas ou produtos que só podem ser encontrados em determinados lugares, que evidentemente possuem preços elevados, pois na maioria dos casos fazem parte de esquemas de comissões e favores destas lojas, que serão posteriormentes repassados para estas escolas.

Livros e Filmes:Harry Potter

A série de livros da autora escocesa J. K. Rowling já vendeu mais de cinqüenta milhões de exemplares em todo o mundo. Os livros contam a história de um menino que inicia-se na feitiçaria. O garoto Harry Potter é um poderoso feiticeiro. Usando seus poderes, ele recria seu mundo por meio da feitiçaria e da magia.
Dizem os comentaristas que a autora dos livros de Harry Potter baseou suas narrativas em As Núpcias Químicas de Christian Rosenkreutz, escrito em 1459 e utilizado na iniciação dos rosa-cruzes. O fato de ter usado esse livro obscuro, conhecido somente pelos iniciados ocultistas, seria mais uma forte indicação que ela pratique a feitiçaria.
Dizem que as cores vívidas utilizadas extensamente pela autora J. K. Rowling nas narrativas dos livros da série Harry Potter estão relacionadas com a antiga religião satânica do druidismo e têm um papel significativo na magia ritual. Essa descoberta é prova positiva do satanismo dos livros de Harry Potter e o efeito que pode ter nas crianças.
Joanne Kathleen Rowling escreve ficção desde criança e sempre quis ser uma escritora. Seus pais adoravam ler e a casa deles em Chepstow era cheia de livros. De fato, J.K. Rowling escreveu seu primeiro “livro” quando tinha seis anos – uma história sobre um coelho chamado Coelho!
A idéia de Harry Potter ocorreu a J.K. Rowling num trem de Manchester a Londres, onde ela diz que Harry Potter ‘apenas surgiu em minha mente totalmente formado’, e assim que chegou em King’s Cross, muitos personagens haviam tomado forma. Durante os próximos cinco anos ela definiu as tramas de cada livro e começou a escrever o primeiro da série, Harry Potter e a Pedra Filosofal, que foi publicado pela Bloomsbury em 1997. O livro começou a ser escrito em 1990, mas só foi finalizado em 1997. Durante esses anos, além de modificar a história inúmeras vezes, JK Rowling também planejava os seis livros seguintes. Em uma entrevista, ela disse que o nome de todos os principais personagens que aparecem durante a série foram escolhidos antes do primeiro livro ser lançado.
Os outros títulos já lançados são: Harry Potter e a Câmara Secreta, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, Harry Potter e o Cálice de Fogo, Harry Potter e a Ordem da Fênix e Harry Potter e o Enigma do Príncipe.
O lançamento de sétimo e último livro da série será em 21 de julho nos EUA e Europa, com o lançamento no Brasil previsto somente para 10 de novembro de 2007, que segundo alguns seria para não atrapalhar o lançamento do quinto filme no Brasil, que será em onze de julho deste ano.
Com o título provisório de Harry Potter e as Insígnias Mortais (título original: Harry Potter and the Deathly Hallows) o livro, premete a autora, será o melhor livro da série, sendo uma continuação do volume 6, principalmente, e deve responder a todas as dúvidas deixadas no mesmo. Deve desvendar as perguntas deixadas em abertas nos livros anteriores.
O sétimo livro será o último da série, embora a idéia de escrever uma encicoplédia sobre o mundo mágico ou outros livros estilo escolar não tenha sido descartada pela autora.
J.K. Rowling também escreveu dois outros títulos, Quadribol Através dos Séculos e Animas Fantásticos e Onde Habitam, para ajudar a Comic Relief.”

O quinto filme
O quinto filme, sobre o livro HARRY POTTER E A ORDEM DE FÊNIX, considerado o mais político da série já lançados até aqui , terá sua estréia em onze de julho de 2007 nos EUA, Brasil e alguns países da Europa.
Um filme de aventura, com 138 minutos, orçamento de US$ 150 milhões, tem a direção de David Yaltes, roteiro de Michael Goldenberg, produção de David Heyman, música de Nichola Hooper e distribuição da Warner Bros. Espera-se um faturamento de mais de US$ 900 milhões.