Category Archives: Ouro

Que é commodities?

Temos ouvido quase todos os dia, em noticiários de rádios, televisões e outras mídias, quando se referem a comércio de produtos internacionais, o termo “commodities”.
Mas o que significa esta palavra? Primeiramente, esta palavra é originária da língua inglesa, plural de “commodity”, que em português significa mercadoria.
Esse termo “commodities” tem sido utilizado, em linguagem de comércio internacional, para certos produtos de base, normalmente matérias primas em estado bruto; com pouco grau de industrialização; que são produzidos em grandes quantidades e normalmente possuem qualidade uniforme, independentemente do país produtor; que podem ser estocadas por um bom período sem que percam significativamente a sua qualidade. São negociadas em bolsas de mercadorias, com seus preços definidos pelo mercado internacional.
São consideradas commodities da área agrícola o café, trigo,soja, algodão, suco de laranja, borracha e outros; da área mineral o minério de ferro, ouro, prata, cobre, alumínio, petróleo, outros; da área financeira as moedas, como dólar, euro, etc; da área ambiental podemos considerar como commodities os créditos de carbono; dos recursos energéticos a energia elétrica.
Com a produção do etanol cada vez maior no mundo e a sua utilização como combustível, pleiteia-se incluí-lo também no rol de commodities.

Jóia é um bom presente de natal para as adolescentes

Presentear pode não ser tão simples assim, principalmente adolescentes, que já sabem o que querem e não é qualquer coisa que os satisfaz. Se for menina é mais complicado ainda.
Já enfrentei muitas dificuldades com isso, mas também já aprendi a lição. A dificuldade foi até quando me ensinaram que para menina adolescente jóias são sempre bons presentes. Por mais que elas possuam, uma nova sempre faz a diferença.
Perfumes somente se conhecermos bem a pessoa, caso contrário o investimento pode não resultar em nada ou até no lixo.
Mas com essa crise somente começando, muitos vão ganhar caixinhas de bom-bons ou nada.

O relógio de pulso na nossa vida

O relógio de pulso é talvez um dos objetos mais usados pela população. Seja homem ou mulher, todos usam diariamente.
Tornou-se um hábito e quando estamos sem ele parece que estamos sem cabeça. Mesmo quando nossa atividade do momento não requer tal uso, não ficamos sem ele. Parece que ficamos desgovernados sem o implacável controle do horário.
Surgiram os mais variados tipos e modelos. Primeiro eram os relógios de corda, que os mais novos nem acreditam que existiram. Depois da criação dos relógios a bateria elétrica, já não temos mais o problema de nos esquecermos de dar corda e perdermos os horários dos nossos compromisso.
Conheci até lenhador que trabalhava com o relógio no pulso. Pessoas que dormem ou tomam banho com ele é muito normal também.
Ficamos escravos do horário e quando não precisamos usar o relógio e por opção prescindimos do mesmo, saímos da rotina e isso nos faz muito bem.

Aparelhos usados descartados. Que fazer com eles ?

Dias atrás escrevi neste blog, sob o título “ Quando um aparelho eletrônico ou equipamento estraga, compensa consertar?”, questionando sobre as vantagens ou não de se consertar um aparelho hoje em dia. Na minha opinião praticamente não compensa mesmo consertar, pois além do alto custo do conserto ainda estaremos com um aparelho velho e com probabilidades grandes de estragar em breve, uma vez que os outros componentes do mesmo já estão “baleados” e ainda estaremos com um aparelho obsoleto e de poucos recursos em relação aos mais atuais.
Um leitor, concordando com essa opinião, questionou-me, sabiamente, sobre o problema dessa decisão: que é o que fazer com o aparelho descartado ? Realmente temos um grande problema hoje em dia com os lixos gerados pelos descartáveis. Uma grande investida está ocorrendo em todo o mundo contra as embalagens plásticas, que dominaram o mundo nas últimas décadas e agora se transformaram em um grande vilão. O mesmo já está acontecendo com os aparelhos usados descartados. É realmente um grande problema quando temos que descartar um aparelho estragado. É um lixo que ninguém quer. Mesmo que o aparelho não esteja estragado, basta que seja obsoleto e já se transforma numa tremenda dor de cabeça.
Outro dia ouvi uma reportagem sobre computadores usados, em boas condições, que não havia destinação para os mesmos. Já eram ultrapassados e ninguém queria. Uma instituição, com a ajuda de voluntários, recondicionou os mesmos e os utilizou em uma comunidade carente, para a inicialização dos adolescentes no mundo da informática. Achei essa iniciativa muito válida.
Como trabalho com avaliações de equipamentos, certa vez tive que avaliar uns equipamentos, que pertenciam a um banco. Em outros tempos eram equipamentos valiosíssimos e faziam todo o controle e armazenamento de dados desse banco. Estavam para venda em leilão. Os proprietários dos mesmos alimentavam a espectativa de grande valor. Entrei em contato com o fabricante dos mesmos e fui surpreendido quando o funcionário nem se quer conseguiu identificar na lista dos produtos estes equipamentos, que tinham menos de quinze anos de uso. Para susto dos proprietários o valor atribuído aos mesmos foi apenas simbólico e porque não era possível dar-lhes o valor zero. Fui muito questionado por essa avaliação mas mesmo assim foi a leilão por esse valor. Outros quatro leilões se passaram e o equipamento lá estava, sem nenhuma oferta, até que apareceu uma pessoa que os arrematou, após se baixarem os valores. Então questionei o mesmo sobre o que ele faria com esses equipamentos ultrapassados e a surpresa foi maior ainda. Ele solicitou permissão para retirar apenas um componente pequeno que lhe interessava e deixar o restante do monstruoso, que necessitava de dois caminhões para seu transporte. A surpresa é que deste componente ele retiraria uma pequena quantidade de ouro e prata e o restante não lhe interessava e teria custos para retirar do local.
Por isso é normal encontrarmos garrafas pet, geladeiras e outros objetos boiando e poluindo as águas dos rios.
Dias atrás escrevi neste blog, sob o título “ Quando um aparelho eletrônico ou equipamento estraga, compensa consertar?”, questionando sobre as vantagens ou não de se consertar um aparelho hoje em dia. Na minha opinião praticamente não compensa mesmo consertar, pois além do alto custo do conserto ainda estaremos com um aparelho velho e com probabilidades grandes de estragar em breve, uma vez que os outros componentes do mesmo já estão “baleados” e ainda estaremos com um aparelho obsoleto e de poucos recursos em relação aos mais atuais.
Um leitor, concordando com essa opinião, questionou-me, sabiamente, sobre o problema dessa decisão: que é o que fazer com o aparelho descartado ? Realmente temos um grande problema hoje em dia com os lixos gerados pelos descartáveis. Uma grande investida está ocorrendo em todo o mundo contra as embalagens plásticas, que dominaram o mundo nas últimas décadas e agora se transformaram em um grande vilão. O mesmo já está acontecendo com os aparelhos usados descartados. É realmente um grande problema quando temos que descartar um aparelho estragado. É um lixo que ninguém quer. Mesmo que o aparelho não esteja estragado, basta que seja obsoleto e já se transforma numa tremenda dor de cabeça.
Outro dia ouvi uma reportagem sobre computadores usados, em boas condições, que não havia destinação para os mesmos. Já eram ultrapassados e ninguém queria. Uma instituição, com a ajuda de voluntários, recondicionou os mesmos e os utilizou em uma comunidade carente, para a inicialização dos adolescentes no mundo da informática. Achei essa iniciativa muito válida.
Como trabalho com avaliações de equipamentos, certa vez tive que avaliar uns equipamentos, que pertenciam a um banco. Em outros tempos eram equipamentos valiosíssimos e faziam todo o controle e armazenamento de dados desse banco. Estavam para venda em leilão. Os proprietários dos mesmos alimentavam a espectativa de grande valor. Entrei em contato com o fabricante dos mesmos e fui surpreendido quando o funcionário nem se quer conseguiu identificar na lista dos produtos estes equipamentos, que tinham menos de quinze anos de uso. Para susto dos proprietários o valor atribuído aos mesmos foi apenas simbólico e porque não era possível dar-lhes o valor zero. Fui muito questionado por essa avaliação mas mesmo assim foi a leilão por esse valor. Outros quatro leilões se passaram e o equipamento lá estava, sem nenhuma oferta, até que apareceu uma pessoa que os arrematou, após se baixarem os valores. Então questionei o mesmo sobre o que ele faria com esses equipamentos ultrapassados e a surpresa foi maior ainda. Ele solicitou permissão para retirar apenas um componente pequeno que lhe interessava e deixar o restante do monstruoso, que necessitava de dois caminhões para seu transporte. A surpresa é que deste componente ele retiraria uma pequena quantidade de ouro e prata e o restante não lhe interessava e teria custos para retirar do local.
Por isso é normal encontrarmos garrafas pet, geladeiras e outros objetos boiando e poluindo as águas dos rios.

Os cuidados no uso e no armazenamento de jóias.

Se você possui uma em ouro, prata, diamante ou pedra preciosa de alto valor então terá que saber usá-la e também ter os devidos cuidados, para que ela possa realmente representar o seu devido valor.
O cuidado começa com o uso correto. Saber quando colocar e quando tirar é muito importante. Coloque-as após colocar a maquiagem, perfume ou spray para os cabelos. Toque-as o quanto menos for possível, já que o óleo da pele pode acumular nas pedras e ouro, dando uma aparência “apagada”. Tire-as caso vá fazer qualquer trabalho manual, incluindo atividades domésticas. Uma pulseira pode facilmente quebrar se enganchar em algo. Pedras preciosas e diamantes podem lascar ou quebrar se bater contra uma superfície dura. Outro perigo são os solventes químicos usado para limpeza em geral que não são bons para limpar nenhum tipo de jóia.
Se você usar brincos, geralmente é melhor tirá-los quando for no cabeleireiro, assim a escova não pegará nos mesmos. Se você é destra, pense em usar pulseiras e relógios no braço esquerdo pois este é menos usado. Faça o oposto se for canhota.
Ao guardá-las você também deve tomar alguns cuidados. Elas são vulneráveis quando em uso, mas também podem sofrer danos se não forem guardadas de maneira apropriada. O diamante é a substância mais dura da Terra, porém pode ser riscado por um outro diamante. As jóias com diamantes também podem riscar outras pedras menos duras, até mesmo o ouro ou a platina. Por esta razão, é importante guardá-las de maneira que não tenham contato umas com as outras. Envolva cada uma individualmente em um lenço ou pano fino ou coloque-as em compartimentos distintos em seu porta-jóias. Geralmente elas vêm em uma caixinha especial ou saquinho. Guarde-os; eles sempre são utilizados na hora de guardar suas jóias com segurança, além de evitar as sujeirinhas.
Para melhores cuidados o ideal seria levá-las para uma limpeza profissional pelo menos uma vez por ano, assim também aproveitaria para dar uma olhada profissional para ver se alguma pedra está meio solta ou alguma garrinha amassada. No entanto nesse meio tempo há coisas que você mesmo pode fazer.
Para diamantes, use uma escova macia que não seja de metal com um pouco de amoníaco suave misturado a água. Delicadamente remova qualquer sujeirinha, principalmente nas garras onde costuma acumular partículas. Mesmo que pareça estar limpo ele pode ter uma fina camada de óleo da pele e brilhará muito mais depois de uma limpeza. Evite tocá-lo o tanto quanto possível.
Para limpar outras pedras preciosas (ametista, safira, esmeralda, tanzanita etc.) é bem fácil. Simplesmente coloque-as num recipiente com água morna com sabão deixando por uns 20 minutos e então use uma escova não metálica macia para remover qualquer sujeirinha. Se você usar um produto específico para limpeza de jóias certifique-se de que ele não seja abrasivo. Não use produtos químicos fortes e nunca as limpe sobre a pia, normalmente elas acabam “entrando pelo cano”.
Se for de ouro você pode usar álcool para dissolver alguma sujeira mais persistente, embora a maior parte das sujeirinhas saiam com água e sabão e uma escovinha delicada, tem que ser bem delicada para não riscá-la. Depois de limpa basta passar um paninho que não solte pelos para dar de volta o seu brilho.

Adornos e Jóias. Ouro, prata, diamante, pedras preciosas.

Desde a pré-história, o homem usa objetos como acessórios. Primeiramente, eram feitos de seixos e ossos e se revestiam de um significado rústico-religioso. Muitas vezes, serviam como talismã e eram usados por homens e mulheres.
Alguns tipos de mensagens são transmitidas e podem variar entre sua própria constituição; funções práticas; modos de uso; valores estéticos; significados enquanto signos de uma gramática visual culturalmente estabelecida; significados ideológicos.
Aos poucos, deixaram de ter um significado apenas simbólico e passaram a ser considerados enfeites. Assim chegou-se às chamadas jóias, que foram se aperfeiçoando até chagarem aos dias de hoje.
Para alguns povos, em várias fases de nossa história, a importância disso era possuir algo incomum, um valor que significasse uma grande dificuldade de obtenção, uma pena de um pássaro raro ou até a orelha de um inimigo. Poderia tanto ver no adereço do Rei seu poder, em muito ouro ou pérolas, significar a conquista de outras terras, assim como o adereço do guerreiro significando sua história de coragem. A joalheria sempre acompalhou a nobreza, foi inacessível à plebe por milênios. Os egípicios, os romanos, a nobreza européia e até nos nosssos dias.
Desde antes de Cristo já existem registros históricos do seu uso e até mesmo os Reis Magos o presentearam, quando o visitaram na ocasião de seu nascimento. São muitos os registros e referências bíblicas sobre o seu uso.
Ela carrega, também, concepções e valores resultantes da leitura do designer sobre a cultura e a sociedade a que pertence. Alguns tipos de mensagens transmitidas por esses acessórios, podem variar entre sua própria constituição; funções práticas; modos de uso; valores estéticos; significados enquanto signos de uma gramática visual culturalmente estabelecida; significados ideológicos. Carregados de potencial e efeitos semióticos, elas têm uma significação que vai além de seu caráter utilitário e de seu valor comercial. Esta significação consiste largamente em sua habilidade em carregar e em comunicar significado cultural. Este significado é incorporado com a ajuda de designers e assim vão surgindo as novas tendências de modas e desta forma taduzindo o estágio cultural da sociedade.
Muitos são os produtos usados na confecção, mas o ouro, diamante, prata, pérola e as pedras preciosas foram sempre os mais utilizados, quer seja pela beleza, pela sua durabilidade, pela sua raridade e valor. Devido o alto custo destes produtos e o crescente desenvolvimento tecnológico, foi possível substituí-los por produtos que os imitam e se tornaram acessíveis às pessoas de menos posses, são as semi-jóias, as bijouterias. Hoje, as técnicas para confecção de jóias em diferentes estilos e modelos estão aprimoradas e encontram-se as peças mais belas e sedutoras.
O ouro exerce atração sobre o homem desde a época da descoberta dos metais. Os egípcios usaram-no, tanto na fabricação de objetos rituais como na douração de sarcófagos e no adorno do mobiliário dos faraós. Na Antiguidade e na Idade Média, as minas de ouro e prata eram escassas e muitos escultores e pintores famosos, principalmente na Renascença, iniciaram seu aprendizado artístico nas oficinas de ourives. O ouro não perde a cor ou enferruja e embora seja bastante forte é também o mais maleável dos metais.
Além do ouro e da prata muito usados na sua confecção há também o diamante e as pedras preciosas, chamadas gemas. As gemas, utilizadas como objetos de decoração, adornos pessoais e até mesmo como amuletos da sorte ou de magia, fascinam o homem desde seus primórdios, com seu brilho, sua cor, sua raridade e até mesmo aqueles mistérios que as envolvem quanto aos seus poderes esotéricos. As mais famosas são a Água-Marinha, Ametista, Rubelita, Topázio, Turmalina, Citrino, Iolita, Peridoto, Berilo, Crisoprásio, Cristal, Esmeralda, Granada, Ônix, Quartzo Rosam, Rodolita, Safira, Rubi, Tanzanita, Alexandrita. A safira apareceu pela 1ª vez na Arábia. Seu nome deriva do Hebraico Sappilir, que significa “a coisa mais bela”.O Brasil é considerado uma das maiores províncias geomológicas do mundo. No solo brasileiro estão presentes todos os tipos existentes na crosta terrestre. Água-marinha, Esmeralda, Topázio, Turmalina e Diamante são as pedras preciosas mais encontradas.
O Diamante (do grego adamas) que significa invencível e sugere a força e a eternidade do amor. Os antigos chamavam-no de pedra do sol devido ao seu brilho fascinante. São extraídos em várias partes do mundo, mas 80% das pedras no mercado hoje vêm da Angola, Austrália, Botswana, Namíbia, África do Sul, Rússia e Congo. O Brasil produz menos de 1% da produção mundial. Com todas essa fontes dá a impressão de se ter grande disponibilidade, mas não é o caso. São necessárias mais de 250 toneladas de cascalho para se extrair um quilate do mesmo. Além do mais somente por volta de 20% de todos o extraídos são gemológicos, o restante vai para a indústria. Todas as minas, com exceção de algumas na Namíbia, produzem mais industriais do que gemológicos (aqueles usados em jóias). São vários os usos para os fins industriais: perfuração de poços de petróleo; nas brocas usadas por dentistas para furar dentes; ferramentas de corte, como o vidro; bisturis usados na medicina, principalmente na indústria oftalmológica, que exige muita precisão no corte e muitas mais.
Quando se fala em ouro ou diamantes e pedras preciosas, para expressar o seu valor, logo surgem as palavras quilate ou kilate, que poucos sabem o que significam. Muitas pessoas confundem quilate com kilate. “Quilate” abrevia-se “ct.” se refere ao peso dos diamantes, enquanto “Kilate” abrevia-se “K” se refere à pureza do ouro. Ex.: 18K ( ouro 18 kilates).
Um quilate é uma unidade de peso para diamantes e outras pedras preciosas. Um quilate é igual a 200 miligramas (0,200 grama, o que equivale a dizer que 1 grama = 5 quilates). Há 1.000 gramas em 1 quilograma (kg). São portanto 5.000 quilates por kg (se você pesa 70 kg, você tem 350.000 quilates). O termo quilate (em inglês = carat) é derivado da palavra “carob” . São sementes que têm pesos incrivelmente parecidos umas com as outras e então eram usadas pelas civilizações antigas para calcular o peso dos diamantes. Uma semente equivalia a 1 quilate. Um quilate é dividido em 100 pontos, de forma que um diamante de 75 pontos pesa 0,75 quilates. 1 quilate = 0,2 gramas. Dois diamantes de pesos iguais podem no entanto ter preços diferentes, dependendo de sua lapidação, pureza e cor. Os “4 princípios do diamante” são corte, claridade, quilate e cor.
Quando se refere ao ouro, o Kilate é uma unidade de pureza. Ouro 24 Kilates é ouro puro. Geralmente, o ouro é misturado com metais como o cobre ou prata para fazer jóias, porque o ouro puro é muito mole. Cada Kilate indica 1/24 do todo. Se uma jóia é feita de metal que tem 18 partes de ouro e 6 partes de cobre ela é de ouro 18 quilates. De onde veio essa unidade de pureza tão engraçada? Acontece que uma moeda de ouro alemã chamada marco era comum há cerca de mil anos. Ela pesava 24 Kilates (4,8 gramas). A pureza do ouro na moeda foi expressa com o número de Kilates de ouro presente nessa moeda de 24