Category Archives: Preservação

Uso de papel agride o meio ambiente?

Uma forte corrente tomou conta de defensores do meio ambiente, que se propagou para a população em geral e hoje desde crianças até pessoas de idade já fazem algum discurso em prol do planeta.

Na maioria dos discursos se ouve que devemos evitar o uso de papel, pois isso implica em derrubada de árvores, comprometendo desta forma o nosso planeta.

Porém os empresários ligados a este setor contestam esta versão e dizem que é bem ao contrário. Argumentam que o papel fabricado atualmente não é com árvores nativas e sim a partir de reflorestamentos criados pelas próprias empresas, que desta forma estariam contribuindo para a captação do dióxido de carbono e não destruindo as florestas já existentes.

Nisso eles até tem razão, porém há o aspecto do grande consumo de água e energia para a fabricação do papel, ale da área de reflorestamento, que poderia ser utilizada para plantio de alimentos.

Quanto lixo geramos em um só dia?

Como o ser humano é um grande gerador de lixo! Outro dia ao tomar o elevador em meu prédio, fiquei analisando a quantidade de pacotes de lixo que várias pessoas levavam até o depósito na garagem do edifício.

Basta um dia que o zelador deixe de retirar o lixo depositado, que a garagem fica cheia de pacotes. É impressionante como nós humanos somos capazes de gerar tanto lixo.

Observei que a maior parte do lixo era composto por restos de embalagens, predominando o material plástico, seguido de perto por papéis, depois vidros e latas.

Daí a necessidade de se reciclar, pois se tudo isso voltar para a natureza nesta forma, o meio ambiente vai se transformar em um grande lixão.

Outro lixo ainda mais grave, que quase não se vê, é o óleo de cozinha, que é lançado ao esgoto, indo causar uma poluição muito danosa aos rios. Este sim deve ser separado e acondicionado em recipientes adequados para ser entregue a um destino adequado, como fabricação de sabão e até para se transformar em biocombustível.

Em muitas cidades já existem programas e incentivos à coleta deste óleo, evitando que se lance ao esgoto, basta também que as pessoas se conscientizem da necessidade de se preservar o meio ambiente.

Cuidar do planeta Terra é uma obrigação de todo ser humano.

Carne artificial

A que ponto chegamos. Daqui a uns tempos teremos que conviver com tudo artificial.

Há muitos anos já se trocam sucos naturais por artificiais. O próprio leite que consumimos já é praticamente fabricado, com a composição que o fabricante deseja, dosando água, a gordura e outros componentes do próprio leite, que são previamente separados, acondicionados em recipientes distintos, para depois, por equipamentos computadorizados, serem dosados para compor o leite desejado, atendendo não só as qualidades nutricionais desejadas, mas também aos interesses comerciais do fabricante, fazendo leite mais caro ou mais barato, dependendo do nicho desejado.

Até sexo já está se tornando artificial. Homens e mulheres artificiais já substituem os de carne e osso. Dizem que uma mulher artificial é até melhor que uma natural, pois não faz compras, não usa cartão de crédito, não reivindica pensão, não regula a cerveja e não “enche o saco”.

Agora a novidade vem da Europa, onde pesquisadores anunciaram recentemente que já estão fazendo carne bovina em laboratórios. Afirmam que em breve não necessitará mais de se criar bois, que dizem usarem grandes áreas para pastagens, que poderiam ser usadas para atividades agrícolas ou florestas. Argumentam tais pesquisadores, que além da vantagem acima exposta, existem muitas outras como o controle do paladar, segurança quanto a contaminações, composições diversificadas de vitaminas e outros nutrientes.

Além destas e outras vantagens sugeridas, os pesquisadores alegam que não haverá emissão de dióxido de carbono pelo “pum” dos animais e a destruição da camada de ozônio, contribuindo desta forma para a preservação do planeta Terra.
Acho que na verdade o que os Europeus querem mesmo é se livrar de países emergentes, como o Brasil.

A transposição do Rio São Francisco e as enchentes de Santa Catarina

Ambientalistas são contra qualquer ação do homem que mude a natureza, porém muitas vezes ela é necessária para um mundo melhor.
Vendo uma reportagem na TV, um fato me chamou a atenção. No nordeste brasileiro, uma obra polêmica, que muita controvérsia tem gerado, com argumentos contra e a favor, inclusive com greves de fome de um bispo e forte intervenção militar, a transposição do Rio São Francisco se diz necessária para irrigar terras. Com as enchentes devastadoras em Santa Catarina, a reportagem relembrou que existe projetos, engavetados há anos, para se fazer a transposição do rio que banha o Vale do Itajaí, que levaria o excedente de água, em caso de grandes chuvas, para o mar, evitando assim as trágicas enchentes que há anos vem vitimando a região.
Basta as águas baixarem um pouco e tais projetos já são engavetados novamente. Gasta-se muito mais depois, quando os desastres acontecem.
Esse é nosso Brasil !

A camada de ozônio e os eletrodomésticos

As preocupações com as mudanças climáticas, aquecimento global e outras, relacionadas ao nosso planeta, têm levado às mudanças de comportamentos das pessoas, do comércio e das indústrias.
Uma dessas mudanças, já adotadas aqui no Brasil, é a alteração do gás freon, que se utilizava em refrigeradores, por outros tipos de fluidos refrigerantes, que não sejam prejudiciais às camadas de ozônio da nossa atmosfera.
Mas você sabe o que é o ozônio? Ozônio é o próprio oxigênio, com a molécula constituída de três átomos, que é instável. A sua constituição estável é a molécula com apenas dois átomos. Quando duas moléculas de ozônio se desintegram, formam três moléculas de oxigênio com dois átomos, em sua constituição estável.
Quando chove de repente, naquelas famosas pancadas de verão, nos primeiros instantes que a chuva cai no chão, temos a sensação que sai do solo um cheiro parecido com poeira, por mais limpo que ele esteja. Este cheiro desaparece instantes depois. Na verdade o cheiro que percebemos é de ozônio, trazido pelas gotas de chuva da atmosfera, que ao cair no solo exala este cheiro característico, porém ele logo se desintegra, formando moléculas de oxigênio estáveis.
A camada de ozônio se forma na atmosfera pelas condições de pressão, temperatura e outras razões, sendo responsável pela filtração dos raios solares, que se não houver esse filtro a vida aqui na terra se torna inviável.
Por isso precisamos cuidar bem do nosso planeta, senão a vida poderá desaparecer da face da terra.

Os pesquisadores do Brasil na Antártida

O Brasil já marcou sua presença na Antártida há muitos anos com algumas expedições e uma base montada nas costas daquele continente gelado, a estação Comandante Ferraz.
Agora está enviando uma missão que irá para o interior do continente, montando seu acampamento a 2 mil Km ao sul da estação Comandante Ferraz, onde deverão ficar uns 40 dias, sob temperatura de
-35°C.
O grupo, coordenado pelo glaciologista Jefferson Cardia Simões, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), é formado por oito pesquisadores, sendo sete brasileiros e um chileno e irão perfurar o gelo para investigar as variações do clima e da química da atmosfera ao longo dos últimos 500 anos.
Boa sorte aos cientista e torcemos pelo seu sucesso, para que possam contribuir com esse seu esforço para uma vida melhor aqui na Terra.

A importância da arborização nos grandes centros urbanos

Quando se fala em vegetação em um centro urbano, só se pensa na purificação do ar. Poucos pensam em outros benefícios.
Na verdade a vegetação traz muitos outros benefícios, como na estabilização térmica e no grau de umidade do ambiente, tão importantes para a saúde humana.
Mas existem outras vantagens, não percebidas com tanta facilidade quanto as mencionadas. Uma delas é a importância como a cura do estresse. Uma pessoa sujeita a uma vida de grande atividade, com muita cobrança, pode melhorar muito seu estado físico com um simples passeio a um bosque, mesmo nos finais de semanas.
Mas o que me motivou escrever sobre isso é ainda mais difícil de se perceber, se não prestarmos atenção. Um terreno, que ainda está desocupado, em frente ao prédio onde eu moro, possuía mais que uma dezena de frondosos eucaliptos. Em dias de tempestades, quando todos vêem de maneira negativa e temerosa, eu contemplava a resistência, ou a manifestação de alegria destas lindas e fortes árvores, quando se curvavam em obediência aos fortes ventos. Nas tardes tranqüilas elas davam abrigo e hospedavam os pássaros, que em agradecimento recitavam suas melodias ao amanhecer do dia. Era um presente da natureza que eu tinha todos os dias. Meses atrás, por ganância ou necessidade, o proprietário do terreno derrubou essas árvores, transformando-as em lenhas e as substituindo por uma placa de “aluga-se”. Hoje só vejo os restos que sobraram das suas copas, mortas e em decomposição, tornando-me um ser mais infeliz, assim como os pássaros que as habitavam, que hoje sumiram infelizes também.
Faço deste texto o meu protesto !

A importância dos bosques, parques e praças nos centros urbanos

Quem vive em cidades do interior talvez não saiba da grande importância e necessidade de lugares públicos arborizados nas grandes cidades.
Nos centros urbanos as pessoas vivem fechadas o dia todo, vendo o sol apenas pelas janelas. Até os presidiários tem direito a banho de sol e muitas vezes as pessoas trabalhadoras não o tem.
Em fins de semanas ensolarados os parques ficam repletos de pessoas e realmente esse passeio faz muito bem à saúde, pois é um grande remédio para diminuir o estresse do dia a dia.

Cresce o uso de papel reciclado para impressões nas empresas

Está se tornando comum o uso de papel para impressões feitos a partir de reciclados. Já é encontrado até nas gôndolas dos supermercados esse tipo de papel. Pode até não ser mais barato, mas traz o grande argumento de ser feito com a reutilização e reciclados, poupando as nossas florestas.
O Estado do Paraná tornou obrigatório o uso deste papel em todos os órgãos do governo.
Será que os documentos terão a mesma qualidade? Não vão desbotar ou apagar a impressão com o tempo? É aguardar para ver.

Trator, moto-serra e o desmatamento da mata atlântica

As pesquisas recentes são assustadoras. Mais da metade da mata atlântica já foi desmatada. Os Estados de Santa Catarina e Paraná foram os mais afetados.
Há menos de 50 anos ainda havia muita floresta nestes Estados, porém com a descoberta da moto-serra e a utilização de tratores, aliada à ganância do ser humano, não foi possível a sua preservação.
Atacaram as araucárias, imbuias, cedros e outras árvores e praticamente acabaram com a floresta.
O agronegócio também contribuiu em muito para que isso acontecesse. Grandes áreas tiveram suas florestas arrancadas para em seu lugar entrar as plantações, principalmente de soja. O oeste e norte do Paraná e de Santa Catarina foram os lugares mais atingidos. Hoje se viaja e vemos imensas áreas como uns desertos verdes. Só se observa plantio de soja, principalmente, que tem tido valores atrativos no mercado internacional.
Já não há mais áreas a preços baratos nessas regiões e os descendentes destes pioneiros hoje subiram para Goiás e Mato Grossso, que também sofre com essa ganância hoje em dia.
O pior de tudo é que já estão atacando a floresta amazônica e se medidas drásticas e urgentes não forem tomadas pelo nosso governo em breve todo o Brasil estará desmado.